Sete (mitos sobre) Samurais

Escrito por Pablo Peixoto em 27.07.2011


1. Suicídio para preservar a honra

Mitos populares apontam que o Samurai comete o seppuku (suicídio ritual), a fim de preservar a honra. Durante Sepuku, o Samurai corta sua barriga com uma espada ritual do tamanho de uma faca longa, a Vakizashi.

É um fato histórico que os samurais às vezes recorreram ao seppuku. No entanto, a razão nem sempre foi a preservação da honra,  existe outra muito mais egoísta: se um samurai se matou por seppuku, por lei sua propriedade é deixada para seus herdeiros e familiares, porém, se o samurai foi capturado e executado como um criminoso ou um prisioneiro, ele perde todos os bens. Assim, muitos samurais cometeram  seppuku para defender suas propriedades.

2. O samurai não recua

Estudos sugerem que os samurais eram tão práticos no campo de batalha, assim como qualquer outro soldado. Relatórios escritos por guerreiros samurais contam sobre como alguns samurais entraram em batalha, e depois recuaram quando começaram a sofrer perdas.

3. Os Samurais são dependentes da espada

O guerreiro samurai é geralmente retratado na batalha como completamente dependente de sua espada (katana).  Na verdade, os samurais usavam várias armas. Estudos sugerem que as lanças longas chamada Yari, foram as principais armas nas grandes batalhas.

No Japão feudal, a katana era uma peça muito cara, transmitida de geração em geração. Na verdade, elas podem  ser consideradas caras demais para uso em batalha e muitas vezes, a coisa mais cara na posse de um samurai.

4. Samurais eram Cavalheiros

Muitos estudiosos são da opinião de que todos os samurais eram leais cumpridores da lei. Na verdade, brigas e disputas entre os samurais eram comuns, e o samurai poderia eventualmente cometer crimes e trair. Exemplos são fáceis de encontrar na história, como a história de Akesh Mitsuhide, samurai que traiu seu mestre.

5. Os samurai eram raros

O primeiro estudo detalhado durante a era dos samurais estima o número de 774 mil a um milhão de samurais para uma população de 25 milhões de pessoas. Isso significa que eles representaram aproximadamente 7% da população até o final do século XIX. Japoneses modernos podem facilmente encontrar um samurai em sua árvore genealógica.

6. Os samurais eram misericordiosos

Samurais muitas vezes são retratados como pessoas que compartilham as modernas concepções sobre a honestidade e justiça, ou defensores dos pobres contra a tirania da elite. Nada poderia estar mais longe da verdade. Os Samurais eram usados por seus senhores  para cobrar impostos e rendas das pessoas comuns. Um samurai poderia matar um plebeu pela menor ofensa, e a maioria da população japonesa tinha medo deles.

7. Todos os samurais eram guerreiros

Na época da era Edo, houve períodos significativos de paz, sem  grandes batalhas. Então, muitos samurais tornaram-se cientistas, funcionários, administradores, ou guerreiros ociosos. A classe Samurai foi perdendo gradualmente sua função militar, e sua katana e tornou-se mais um símbolo de status do que uma arma.

Quando chegou a hora de modernizar o exército japonês, a fim de habilitá-lo a resistir ameaças externas, o imperador Meyi  decidiu que os samurais não eram adequados para tal tarefa. Como resultado, foram retirados assuntos militares e,  gradualmente desapareceram.