Um texto de despedida.

Escrito por Pablo Peixoto em 14.02.2011

Finalmente ele decidiu parar.


Não dava mais, as pressões, seus conterrâneos cantando, bradando, pedindo sua saída. Tudo isso foi demais. Eram milhões acusando, condenando, gritando cada vez mais alto “você não tem mais condições de fazer está fazendo”.

Logo ele que passou décadas atropelando todos os percalços e construindo uma carreira com uma estabilidade invejável. Foram décadas como referência que agora acabam em um sopro.

Começou como reserva, lá atrás, meio apagado, meio pra formar o time, mas logo teve sua oportunidade de liderança que assumiu e não mais largou. Chamou a responsabilidade, como dizem.

Porém a pressão era realmente demais. Ficou flácido, inchado, inoperante e por fim, truculento, arrumando mais inimigos que aliados, na nova mania global, a poderosa internet, que nem existia como conhecemos quando ele chegou ao topo da sua carreira. Decidido a largar tudo, vai curtir, aproveitar seu dinheiro em paz. Na gíria do futebol, vai pendurar as milionárias chuteiras.

Fica sua lição para o futuro.

Mubarak, meu filho, vai com Deus!