Pra que foram mexer com o passarinho dele?

Escrito por Pablo Peixoto em 24.01.2011

Foi em um sábado, 22 de novembro de 1986. O mundo iria conhecer o mais jovem campeão dos pesos pesados de todos os tempos. Um nome que rivalizaria com lendas como Rock Marciano e Joe Louis e até mesmo, heresia, Muhamed Ali. Estamos falando de um jovem boxer que vinha de uma surpreendente marca 27 lutas como profissional (26 por nocaute), estamos falando de Mike Tyson.

Com 1,82m e 100kg, Tyson era mais baixo e mais leve que a média dos outros campeões, mas  com uma velocidade formidável, uma musculatura taurina e uma ferocidade que compensava qualquer desvantagem física. O lutador nasceu no Brooklin e, criado entre marginais, vivia de pequenos furtos, mas segundo ele mesmo era um “medroso afeminado”. Até que um dia, roubaram seu passarinho de estimação.

E NUNCA, JAMAIS, EM NENHUMA CIRCUNSTÂNCIA ROUBE O PASSARINHO DE ESTIMAÇÃO DE UM MIKE TYSON!

Uma passagem para o reformatório-onde-aumentou-seu-ódio-diante-de-tanto-terror depois, Myke encontrou Cus D’Amanto, o treinador que, apesar de ter morrido um ano antes da luta, ia colocá-lo pronto para conquistar o topo da mais charmosa (e casca-grossa)  categoria do pugilismo. O título dos Peso-Pesados com apenas 20 anos de idade.

A luta foi contra o jamaicano Trevor Berbik, que após a peleja declarou: “Não entendi nada, não lutei, o que fiz foi aguentar por algum tempo a pressão do maluco!”. Aguentou por 2m35s, no segundo assalto o campeão foi à lona. Trevor foi valente e ainda tentou se levantar,  sem sucesso.  O oponente chegara para ficar.

O que aconteceu depois com o cara, todo mundo já sabe, mas isso é outra história.

Melhor do que ficar aqui contando causo é mostrar a técnica, a violência e o auge  de um dos maiores lutadores que o mundo já viu.